Pesquisar
Close this search box.
Logo NatcoFarma Colorido
tipos de doenças nos ossos

Doenças dos ossos: confira as principais e o que fazer para evitá-las

Compartilhe esse post!

As doenças dos ossos podem afetar o nosso esqueleto, que é representado por mais de 200 ossos, 206 para sermos exatos.

A estrutura óssea serve para dar sustentação ao nosso corpo e pode ser afetada por doenças degenerativas, erros do metabolismo, desgaste e falta de nutrientes.

Uma das mais comuns é a osteoporose. Você sabia que no mundo ocorre uma fratura devido à osteoporose a cada 3 segundos? O número alarmante é da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF). 

De acordo com o órgão, o risco de fratura no quadril para as mulheres é maior do que o risco de câncer de mama, ovário e útero somados.

Apesar de ser a mais conhecida, essa não é a única doença que pode afetar os ossos. Neste conteúdo, falaremos mais sobre o assunto. Confira!

O que são as doenças dos ossos?

As doenças ósseas podem ter efeitos devastadores sobre um indivíduo, causando dor excruciante, imobilidade e, em alguns casos, morte precoce. 

A osteoporose é talvez a mais conhecida de todas as doenças ósseas, mas existem muitas outras que não apenas enfraquecem os ossos, mas podem fazê-los se curvar ou deformar. 

Algumas condições causam até mesmo um aumento do crescimento ósseo levando a uma gama restrita de movimentos e dor crônica. 

Elas podem ser causadas por problemas genéticos e congênitos, devido à falta de vitaminas e nutrientes com o passar do idade e também devido aos maus hábitos de vida. 

Com o passar dos anos, é normal que todo o corpo envelheça, inclusive os ossos, que podem se tornar mais frágeis e quebradiços. 

Veja o que pode ser feito para evitar as doenças dos ossos e quais são as principais.

Doenças dos ossos: saiba quais são

Doenças nos ossos e articulações

– Osteoporose

A osteoporose é uma doença que afeta milhões de adultos em todo o mundo e se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea, aumentando o risco de fraturas.

Segundo a Fundação Internacional de Osteoporose (IOF), a partir dos 50 anos de idade, uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens sofrerá pelo menos uma fratura.

Existem várias causas potenciais para a osteoporose, tais como genética, escolhas de estilo de vida, uso de certos medicamentos e níveis inadequados de cálcio ou vitamina D no corpo. 

Ela é uma doença silenciosa, pois não dá sinais de seu desenvolvimento até que aconteça alguma fratura.

Felizmente, existem passos que as pessoas podem tomar para evitar se tornar uma vítima. No entanto, as medidas devem ser tomadas durante toda a vida, não apenas na terceira idade.

Exercitar-se regularmente e comer alimentos saudáveis ricos em cálcio, magnésio e vitaminas D e K pode ajudar a construir ossos fortes e melhorar a saúde óssea em geral. 

Tomar sol também é muito importante para que haja absorção e fixação da vitamina D.

Leia também: Bacteremia o que é: descubra tudo sobre a infecção na corrente sanguínea

– Artrite

A artrite é uma doença crônica e autoimune, que causa a inflamação das articulações e, se não tratada, pode levar à destruição das juntas, causando limitações e deformidades.

Assim como a osteoporose, ela também é mais comum em mulheres por volta dos 50 anos e o histórico na família é um fator de risco.

Os sintomas que podem aparecer são o inchaço, dor e rigidez nas articulações. Também é comum sentir o local mais quente e notar vermelhidão.

Geralmente, começa nas mãos, punhos e pés e depois vai evoluindo para articulações maiores, como ombros, tornozelos e quadris.

O tratamento é feito com medicamentos imunossupressores que controlam a doença e fazem com que a inflamação diminua, além de anti-inflamatórios e analgésicos.

– Artrose

A artrose ou osteoartrose é um tipo de artrite que afeta as cartilagens que protegem as articulações e ossos. 

Ela é, praticamente, uma consequência do envelhecimento, já que afeta cerca de 80% a 90% das pessoas de ambos os sexos com mais de 40 anos.

No entanto, esse desgaste pode ser ainda maior devido a fatores como traumas, doenças reumatológicas inflamatórias, doenças dos ossos congênitas, além de outras doenças metabólicas e endócrinas. 

Além disso, também há uma parcela de pacientes que possuem artrose mais acentuada sem motivos aparentes.

Os sintomas envolvem dor nas articulações ao se movimentar, rigidez e perda de flexibilidade, inchaço, estalos e rangidos nas articulações.

A doença fica mais acentuada com o tempo, assim como a dor nas regiões afetadas.

Leia também: Como fortalecer o sistema imunológico: confira as melhores dicas e pesquisas sobre o assunto

Raquitismo

O raquitismo é uma doença causada pela falta de vitamina D no organismo, fazendo que a estrutura óssea fique mais fraca e sujeita à fraturas.

Ela ocorre em crianças e adultos – mas neste caso é chamada de osteomalacia – tanto devido à deficiência da vitamina pela alimentação e pela falta de sol, quanto pela má absorção da vitamina D.

Em crianças, pode causar deformidade óssea, atraso no crescimento e problemas dentários. 

Pode ser tratada com suplementação de vitamina D e cirurgia óssea em casos mais graves.

Câncer ósseo 

O câncer ósseo é caracterizado pela produção de células anormais no tecido ósseo. O osteossarcoma, que é o tumor ósseo primário, é o mais comum.

No entanto, também podem ocorrer outros tipos de câncer em outras regiões do corpo e se espalhar para os ossos.

Condrossarcoma, Sarcoma de Ewing e Cordoma são alguns tipos de câncer que podem se desenvolver que podem se desenvolver nas células cartilaginosas, crânio, ossos da pelve, dentre outros.

Tratamentos para as doenças dos ossos

As doenças osteoporose, artrite e artrose não têm cura, mas têm tratamento.

O objetivo principal dessas doenças dos ossos é reduzir a perda óssea e a inflamação, diminuir as dores e minimizar o impacto das patologias.

É muito importante garantir a qualidade de vida do paciente, para evitar dores e fraturas.

Para isso, podem ser recomendados tratamentos medicamentosos, como imunossupressores, medicamentos anti-inflamatórios, medicamentos biológicos, suposição hormonal e, em alguns casos, cirurgia.

Além disso, o médico pode recomendar atividades físicas específicas, mudanças no estilo de vida, fisioterapia e terapia ocupacional aos pacientes, a depender de cada caso.

Como prevenir as doenças dos ossos: confira

Doenças causadas nos ossos

De maneira geral, para prevenir as doenças dos ossos, é preciso manter uma alimentação adequada, praticar exercícios físicos, tomar sol e evitar hábitos nocivos à saúde.

Ou seja, manter hábitos de vida saudáveis é a melhor forma de manter uma boa saúde óssea e prevenir as patologias que se desenvolvem no tecido.

– Atividade física

O condicionamento físico e a prática regular de atividades são indispensáveis para prevenir doenças dos ossos e articulações, pois melhoram a sua resistência e massa óssea.

São recomendadas atividades para ganho de força e também exercícios que trabalham o equilíbrio, o alongamento e a flexibilidade.

A prática fortalece a musculatura, intensificando a sustentação óssea, além disso, melhora a lubrificação das cartilagens e articulações. 

Por outro lado, o sedentarismo contribui ainda mais para a perda de massa óssea, que já é um processo natural do envelhecimento.

– Alimentação

A alimentação ajuda a manter os nutrientes que fortalecem o tecido ósseo. Alimentos com cálcio, fósforo, vitamina D e magnésio são essenciais para garantir uma boa base de nutrientes para a saúde óssea.

Invista em uma alimentação rica em cereais integrais que são fonte de fibras e bons carboidratos.

Leite, laticínios, queijos, iogurtes, ostras, grão de bico, linhaça e brócolis contribuem no oferecimento de cálcio, um dos principais componentes para evitar doenças dos ossos.

A linhaça também contribui com o ômega-3, que auxilia na densidade e saúde óssea, assim como as nozes e castanhas, que também devem estar presentes na alimentação.

A sardinha também é uma ótima opção de alimento, pois é rico em vitamina D e cálcio, auxiliando no oferecimento de nutrientes importantes.

Banho de sol 

Apesar de a vitamina D ser absorvida pela alimentação, é através da luz do sol que se dá a maior absorção dessa vitamina. Cerca de 90% da quantidade de vitamina D no nosso organismo vem da luz do sol.

Por isso, recomenda-se o banho de sol diário pela manhã, antes das 10 horas, no mínimo três vezes por semana pelo período de 15 a 20 minutos e sem protetor solar, já que ele impede essa absorção.

No entanto, de acordo com Sociedade Brasileira de Dermatologia, pessoas com a pele muito branca têm maior risco de câncer de pele. Neste caso, cinco minutos no sol da manhã já são suficientes.

– Fique longe de hábitos nocivos

Ficar longe de hábitos nocivos, como o cigarro e o consumo excessivo de álcool também aumenta a saúde óssea, pois eles enfraquecem as células que formam o tecido ósseo e interferem na absorção de cálcio.

Reposição de cálcio e outras vitaminas e minerais

É importante ficar atento às quantidades de vitaminas necessárias para a formação dos ossos por meio de exames em laboratório.

Sempre que houver insuficiência ou deficiência, pode ser necessária a reposição por meio de suplementos.

A Natcofarma é uma farmacêutica com 140 patentes aprovadas, além de possuir centros de pesquisa e fábricas ao redor do mundo.

Possuímos medicamentos de alta complexidade e com elevado padrão de qualidade por meio do uso de tecnologia de ponta e de equipes de cientistas altamente capacitados.

Aproveite para saber mais sobre a Natcofarma e conheça nossos medicamentos!

Conclusão

As doenças dos ossos podem surgir em decorrência de diferentes fatores, mas comumente elas aparecem devido à falta de nutrientes e maus hábitos de vida, como o sedentarismo.

Com a idade, é normal que os ossos enfraqueçam e percam massa óssea, por isso, a prevenção por meio de uma alimentação rica em nutrientes, a absorção de vitamina D através da luz do sol e a prática regular de atividades físicas pode ajudar na saúde óssea.

Quer conferir mais conteúdos como este? Então acesse outros artigos no blog da Natco!

Leia também: O que é citomegalovírus: conheça os sintomas e métodos de prevenção

Veja também:

Contato

Entre em contato conosco através de nossos canais de atendimento.