Pesquisar
Close this search box.
Logo NatcoFarma Colorido
excesso de zinco no organismo

Excesso de zinco no organismo: malefícios, sintomas e como evitar

Compartilhe esse post!

Você sabia que o excesso de zinco no organismo pode causar malefícios ao organismo e ser tão prejudicial quanto a falta do nutriente?

Apesar de ser pouco comum quando comparada com a deficiência do mineral, o excesso também pode acontecer e causar sintomas como dor de barriga, diarreia e vômitos.

Atualmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um terço da população do mundo apresenta deficiência de zinco.

Apesar disso, a suplementação, o consumo de alimentos em contato com revestimento galvanizado e a inalação de óxido de zinco em fábricas são algumas das causas que podem dar origem ao excesso de zinco no organismo.

Quer saber mais sobre o assunto? Então confira mais informações a seguir!

Importância do zinco para o organismo

O zinco é um mineral essencial para o nosso organismo e pertence ao grupo dos sais minerais, participando de diferentes processos e reações.

Ele atua em mais de 300 reações enzimáticas, mas se destaca principalmente na atuação no sistema imunológico.

Como não é produzido pelo organismo, assim como a maioria dos minerais, sua atuação depende da absorção por meio da alimentação.

Para que haja a absorção do zinco, recomenda-se uma alimentação rica no mineral, que está presente na carne vermelha, frango, iogurte, peixes, ostras e castanhas, por exemplo.

Só que devido a uma série de fatores, pode haver um desequilíbrio na quantidade ideal do mineral, podendo causar excesso de zinco no organismo e também a falta do nutriente.

Benefícios do zinco para a saúde: confira

O principal objetivo deste conteúdo é falar sobre o excesso do zinco no organismo e como a condição afeta o nosso organismo. 

No entanto, antes precisamos conhecer a atuação do nutriente e por que ele é tão importante. Confira!

– Fortalece o sistema imunológico

como eliminar o excesso de zinco no organismo

A relação do zinco com o sistema imunológico está no fato de que o mineral atua diretamente na glândula timo.

Essa glândula é a responsável pela produção dos linfócitos T que, por consequência, atuam na produção de anticorpos que realizam a defesa contra microorganismos invasores.

Além de atuar na formação, boa parte das células do sistema imunológico também utiliza o nutriente para funcionar, por isso, ele é importante na defesa contra diferentes patógenos.

Alguns estudos já mostraram que a duração média de um resfriado comum foi 33% menor para os grupos que faziam uso de zinco. 

Leia também: Sintomas de Influenza: quais são, tratamentos e como evitar

– Ajuda na prevenção da diabetes

Os baixos níveis de zinco têm sido associados com a diabetes. Isso porque o nutriente atua na síntese, armazenamento e secreção de insulina.

Além de prevenir a diabetes, outras doenças estão relacionadas com a falta do nutriente, como a hipertensão, a doença arterial coronariana e os triglicérides altos.

Um estudo, publicado na revista internacional para profissionais de saúde e pesquisadores de orientação clínica, a Diabetes Research and Clinical Practice, descobriu que a suplementação de zinco melhorou a capacidade de pré-diabéticos para processar a glicose.

Já no estudo “Alterações metabólicas e funcionais do zinco em diabetes mellitus” Lúcia Pedrosa e Silvia Cozzolino analisaram uma série de pesquisas que relataram as alterações metabólicas e fisiológicas do zinco na presença do diabetes mellitus.

Uma das conclusões das autoras é a de que em pacientes diabéticos as alterações metabólicas e funcionais de zinco podem conduzir a uma deficiência crônica deste elemento.

– Melhora a cicatrização

A deficiência de zinco tem sido associada com o retardo da cicatrização.

Alguns estudos já foram conduzidos na intenção de provar que o zinco ajuda na cicatrização. Foi comprovado, por exemplo, que ele acelera a cicatrização de úlceras nos pés de pacientes diabéticos.

Além disso, o mineral foi apontado como crucial na cicatrização inicial de úlceras gástricas. 

– Relação com o aumento de massa muscular

Não é difícil vermos a afirmação de que o zinco contribui para o aumento de massa muscular. Na verdade isso não acontece. Pelo menos, é o que diz uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP.

A pesquisa foi feita com atletas amadores de futebol. Metade deles tomou zinco, vitamina B6 e magnésio, como suplemento por oito semanas e a outra metade tomou apenas placebo.

Eles concluíram que o zinco não teve benefícios extras, pois ambos tiveram a massa muscular aumentada.

No entanto, em outra pesquisa publicada pelo Journal of Exercise Physiology, a suplementação teve efeito de aumento de massa muscular em pessoas que tinham deficiência de zinco, mas a partir do momento que a quantidade de zinco se normalizava, o mineral deixa de fazer efeito na massa muscular.

Qual a quantidade de zinco recomendada? Entenda

Tanto a falta quanto o excesso de zinco no organismo podem causar problemas, por isso, é importante ficar atento à quantidade ideal.

Segundo uma revisão de estudos publicada pelo Journal of Trace Elements in Medicine and Biology a quantidade ideal do consumo de zinco por dia é de 7 mg a 10 mg de zinco no caso das mulheres.

Já para os homens, a quantidade ideal varia de 11 mg a 16 mg, considerando o consumo diário.

A quantidade para as crianças se diferencia de acordo com a idade. Veja:

  • 1,5 mg/dia – bebês até 4 meses;
  • 2,5 mg/dia – 4 a 12 meses; 
  • 3 mg/dia – 1 a 4 anos;
  • 4 mg/dia – 4 a 7 anos; 
  • 6 mg/dia – 7 a 10 anos; 
  • 9 mg/dia (meninos) e 8 mg/dia (meninas) – 10 a 13 anos; 
  • 12 mg/dia (meninos) e 10 mg/dia (meninas) – 13 a 15 anos;
  • 14 mg/dia (meninos) e 11 mg/dia (meninas) – 15 a 19 anos. 

No período da gravidez, o consumo deve ser de 9 mg/dia no primeiro trimestre, 11 mg/dia no segundo e terceiro trimestre e durante a amamentação 13 mg/dia.  

Leia também: Fraqueza após gripe: qual a melhor forma de tratar os sinais?

Excesso de zinco no organismo: o que pode causar?

deficiência de zinco

Apesar de a deficiência ser muito mais comum, também é possível que haja excesso de zinco no organismo e ele também pode ser prejudicial.

O excesso pode ser causado pela suplementação errada do mineral, geralmente feita por conta própria e sem acompanhamento médico.

Também pode ser causado pelo consumo de alimentos ácidos ou de bebidas enlatadas em recipientes com revestimento de zinco (galvanizadas). 

Antigamente, era comum a coleta de água para beber a partir de telhados galvanizados ou até mesmo embalagens de alimentos galvanizados podem liberar zinco e causar a toxicidade do metal.

A inalação de vapores de óxido de zinco pode ocorrer em indústrias e também são uma causa do excesso de zinco no organismo.

Outra causa para o aumento de zinco, são algumas doenças e condições médicas, como a insuficiência cardíaca crônica, osteosarcoma ou aterosclerose.

Grandes quantidades do mineral podem causar:

  • náuseas e vômitos;
  • diarréia;
  • dor de barriga e estômago;
  • problemas gastrointestinais;
  • fadiga.

Como manter a quantidade de zinco equilibrada: confira dicas

A melhor maneira de manter a quantidade de zinco equilibrada é por meio de uma alimentação saudável e equilibrada.

Como vimos anteriormente, a quantidade ideal de zinco pode ser adquirida por meio da alimentação.

É muito difícil que uma alimentação natural possa causar excesso de zinco no organismo, no entanto, uma suplementação diária com níveis inadequados da substância podem causar sintomas de toxicidade.

O ideal é sempre procurar um médico para saber quando há necessidade de suplementar.

– Alimentos fonte de zinco

A Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA) indica os principais alimentos ricos em zinco e a quantidade presente a cada 100 gramas. Confira:

  • Ostra – 29,6 mg 
  • Semente de abóbora – 10,3 mg 
  • Farelo de trigo – 7,41 mg 
  • Carne bovina (músculo) – 6,44 mg 
  • Castanha-de-caju – 5,78 mg 
  • Moela de frango – 4,13 mg 
  • Cordeiro – 3,85 mg 
  • Queijo coalho – 2,8 mg 
  • Gema de ovo – 2,8 mg 
  • Feijão-carioca – 2,6 mg 

A Natcofarma é uma empresa que comercializa medicamentos acessíveis com padrão de qualidade global.

Possuímos diversos laboratórios e fábricas ao redor do mundo, além de uma equipe de cientistas altamente capacitados.

Contamos com tecnologia de ponta para desenvolver medicamentos oncológicos, hematológicos e de cuidados primários.

Você já conhece a Natcofarma? Então aproveite para saber mais sobre a nossa história e os nossos medicamentos! 

Conclusão

O excesso de zinco no organismo, assim como a sua falta, podem gerar problemas para organismo e diferentes sintomas.

A deficiência do nutriente é bastante comum, no entanto, a suplementação indevida e o contato com zinco galvanizado e óxido de zinco podem causar sintomas de toxicidade.

Por isso, o melhor é encontrar o equilíbrio do nutriente no organismo e uma das principais maneiras é por meio de uma alimentação equilibrada.

Importante estar com os exames em dia, consulte seu médico (a).

Leia também: Bacteremia o que é: descubra tudo sobre a infecção na corrente sanguínea

Veja também:

Contato

Entre em contato conosco através de nossos canais de atendimento.