Pesquisar
Close this search box.
Logo NatcoFarma Colorido
tratamento para o câncer

Tratamento para câncer: conheça 7 tipos de terapia usadas

Compartilhe esse post!

O tratamento para o câncer pode seguir vários caminhos a depender de diversos fatores, entre eles o tipo, o estágio e a localização do tumor. 

Também são considerados o estado de saúde do paciente e os possíveis efeitos colaterais que cada tratamento pode apresentar.

Em busca de melhores resultados, o tratamento do câncer pode ser feito combinando terapias e aliando conhecimentos de diferentes especialidades médicas.

Se o tumor não puder ser tratado, o objetivo é sempre reduzir os desconfortos do paciente e buscar um tratamento humanizado, oferecendo o máximo possível de bem-estar ao paciente.

Acompanhe o artigo a seguir e saiba mais!

O que é o câncer e como ele ocorre?

Câncer é um termo genérico para designar o aparecimento de mais de 100 doenças malignas que geram a multiplicação desordenada de células.

Diferente das células normais, as que possuem alguma mutação continuam se dividindo e por isso podem ficar fora de controle e invadir outros tecidos. Esse processo de crescimento descontrolado de células anômalas é chamado de carcinogênese.

Alterações da estrutura genética (DNA) são o que dão origem ao câncer. Essa alteração pode ser herdada e também pode acontecer por erros na multiplicação das células.

Neste segundo caso, ela pode ocorrer por motivos amplamente conhecidos, como a exposição demasiada ao sol ou o tabagismo, por exemplo. Mas nem sempre é possível saber exatamente o que deu origem à multiplicação anormal de células.

Tratamento para câncer: principais formas

Atualmente, existem sete principais formas de tratar o câncer. Para um tratamento mais efetivo, elas podem ser combinadas sempre que necessário. 

Confira quais são os tipos de tratamentos para o câncer!

Cirurgia

A cirurgia oncológica é uma opção de tratamento que compõe os pilares de tratamento do câncer.

Segundo um levantamento do Observatório de Oncologia, no nosso país são realizadas cerca de 10 mil cirurgias oncológicas anualmente.

Ela pode ser indicada ao paciente com finalidade:

  • Curativa: acontece quando é realizada a retirada total do tumor, geralmente em casos de detecção precoce. Remove parte ou todo o órgão ou tecido canceroso, além de uma parte de tecido saudável como margem de segurança.
  • Paliativa: ajuda a aliviar os sintomas e a dor, trazendo mais qualidade de vida, mas não trata ou cura o tumor;
  • Reconstrutiva: é aliada a cirurgia curativa para recuperar alguma parte do corpo seja funcional ou estética;
  • Profilática – retirada de tecido com potencial de se tornar câncer.
Tratamento para câncer: radioterapia

Radioterapia

Aproximadamente 70% dos pacientes diagnosticados com algum tipo de câncer passam pelo tratamento com radioterapia, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde.

A radioterapia utiliza raios ionizantes para destruir um tumor, impedir o seu crescimento e/ ou reduzi-lo. Ela é feita na direção do tumor e pode curar ou controlar a doença.

O avanço tecnológico melhorou consideravelmente os resultados com a radioterapia e a eficácia desse tratamento para o câncer.

Algumas das radiações mais utilizadas são as eletromagnéticas, como é o caso do raio-x e gama, além de partículas ou corpusculares, como prótons, elétrons e nêutrons.

Transplante de medula óssea

O transplante de medula óssea é indicado para alguns tipos de câncer que afetam as células sanguíneas, como as leucemias e os linfomas.

Este tipo de tratamento consiste na substituição de uma medula óssea doente por uma saudável.

O transplante autólogo ou autogênico, que é feito com células do próprio indivíduo, é geralmente uma opção quando a enfermidade não tem origem direta na medula. É o caso do Linfoma não Hodgkin e do Neuroblastoma, por exemplo.

Já no transplante alogênico, as células provêm de um indivíduo doador aparentado ou haploidêntico (doadores 50% compatíveis).

Primeiramente, são retiradas as células do doador enquanto o paciente é submetido ao tratamento que destrói a medula doente. As novas células são transferidas por um procedimento simples, como se fosse uma transfusão de sangue.

Quimioterapia

Uso de medicamentos que destroem as células tumorais, matando as que se dividem rapidamente. 

Justamente por isso a quimioterapia pode apresentar muitos efeitos colaterais, destruindo também células saudáveis que possuem divisão rápida, causando queda de cabelo, náuseas, vômitos, etc.

Entretanto, atualmente existem diversas combinações de medicamentos e alternativas que podem resultar em reações potencializadas, mas com redução dos  efeitos colaterais.

É aplicada via oral, intravenosa, subcutânea, intratecal e intramuscular. E pode ser usada como terapia exclusiva, adjuvante (terapia complementar a um tratamento primário) e neoadjuvante (antes da cirurgia).

Em muitos casos de câncer, já existe um protocolo clínico estabelecido e em outros cabe ao médico estabelecer uma combinação de medicamentos e horários de administração, calculando as doses adequadas para cada situação conforme peso corporal, superfície corporal, etc.

Os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas em Oncologia (PCDTs), por exemplo, são uma forma de assegurar que todos tenham o mesmo tratamento do câncer pelo SUS.

Tratamento para câncer: cuidados paliativos

Cuidados paliativos

Os cuidados paliativos são uma forma de oferecer  uma qualidade de vida melhor de forma ativa e integral às pessoas com câncer, contribuindo para um tratamento menos incômodo ao paciente e visando sempre à redução do sofrimento.

Ele possui o objetivo de cuidar dos aspectos psicológicos, sociais e espirituais do paciente, que vão além do tratamento para o alívio da dor e devem ser iniciados o quanto antes.

O tratamento paliativo é o prioritário em casos de cânceres terminais, para que se possa reduzir o sofrimento do paciente, oferecendo o máximo de conforto possível a ele e à família.

O suporte, o cuidado e o tratamento humanizado são necessários para o paciente, assim como para o preparo da  família visando o mínimo de interferência no dia a dia do paciente.

Imunoterapia

A imunoterapia é um tratamento para o câncer que tem o objetivo de fortalecer o sistema imunológico para que ele possa combater a doença. 

Este tratamento que utiliza produtos biológicos pode agir de diferentes maneiras, seja atacando apenas células cancerígenas ou fortalecendo o sistema imunológico como um todo.

Alguns dos principais tipos utilizados são os anticorpos monoclonais, as Car T- Cells e as vacinas contra o câncer.

Apesar de possuir menos toxicidade do que outros tipos de tratamento para o câncer, ele não é eficaz para todos os pacientes, pois depende da resposta imunológica de cada um. 

É indicada para o tratamento de câncer de pulmão, cabeça e pescoço, linfomas de Hodgkin, bexiga, rins e melanoma.

Hormonioterapia

A hormonioterapia é uma forma de tratamento que interfere nos hormônios do paciente com o objetivo de mitigar o crescimento tumoral de cânceres hormonais.

Sua forma de ação é suprimir a atividade de hormônios ou bloquear os receptores de hormônios nas células cancerosas na tentativa de impedir que os hormônios alimentem o crescimento dos tumores. 

A hormonioterapia funciona como um tratamento para câncer de próstata e também como um tratamento para o câncer de mama, além de ser efetivo também para câncer de tireóide, endométrio, entre outros.

Ela pode ser realizada por via oral (comprimidos) ou injeções subcutâneas

Qual o tratamento mais moderno para câncer?

Um dos tratamentos mais modernos e revolucionários para o câncer é a terapia CAR-T (receptor de antígeno quimérico), uma forma de imunoterapia que reprograma as células do corpo contra a doença.

Os especialistas realizam o isolamento do linfócito-T, que é a célula de defesa capaz de reconhecer antígenos existentes na superfície celular de agentes infecciosos e dar início ao processo de produção de anticorpos.

Os especialistas utilizam um vetor viral modificado para introduzir no linfócito um receptor capaz de reconhecer o antígeno específico do câncer que ele deve combater.

Dessa forma o sistema imunológico do paciente passa a atacar as células tumorais.

O primeiro brasileiro que recebeu a terapia celular CAR-T apresentou remissão de tumores em menos de um mês.

Quais os tipos de câncer mais comuns?

Por gênero, de acordo com o Incidência de Câncer no Brasil (INCA), a estimativa para o triênio 2020 – 2022 é (descontados os casos de câncer de pele não melanoma):

Em homens:

  • próstata – 29,2%;
  • cólon e reto – 9,1%;
  • pulmão – 7,9%;
  • estômago – 5,1%;
  • cavidade oral – 5%.

Em mulheres:

  • câncer de mama – 29,7%;
  • cólon e reto – 9,2%;
  • colo do útero – 7,4%;
  • pulmão – 5,6%;
  • tireóide – 5,4%.

Conclusão

Conhecer os tipos de câncer e seus tratamentos, assim como estar informado de abordagens inovadoras e novidades é essencial para profissionais de saúde.

A Natcofarma é uma das marcas líderes mundialmente em pesquisa e desenvolvimento de  medicamentos genéricos revolucionários.

É o caso, por exemplo, dos medicamentos voltados para a área oncológica lançados pela Natcofarma.

Com mais de 40 anos de história, a Natco lançou genéricos de alta complexidade com alto padrão de qualidade no mercado farmacêutico.

Para acompanhar essa e outras notícias acesse nossa página de cadastro e tenha conteúdos exclusivos!

Veja também:

Contato

Entre em contato conosco através de nossos canais de atendimento.